sexta-feira, junho 30, 2006

claro, escuro

Um rabi perguntou a seus alunos: "Quando é que dá, ao amanhecer, para distiguir a luz das trevas?" Um estudante respondeu: "Quando distingo um bode de um macaco". "Não", respondeu o rabi. Um outro disse: "Quando eu distingo uma palmeira de um figo". "Não", respondeu o rabi de novo. "Bem, então qual é a resposta?", seus alunos o pressionaram. "É quando você se olha o rosto de cada homem e de cada mulher e se vê nele seu irmão e sua irmã", disse o rabi."Só então você viu a luz. Tudo o mais é treva" (um conto hassídico in War: A Call to Inner Peace).

quarta-feira, junho 28, 2006

amizade

Discutindo sobre a experiência da amizade, Lewis faz uma constatação surpreendente: a de que o homem moderno tem muita dificuldade de valorizar a amizade, de vê-la como uma forma nobre de amor. Ele, um estudioso da história clássica e medieval, comenta como a amizade era vista pelos antigos como "a mais feliz e a mais plenamente humana de todas as formas de amor humano; a coroa da vida e a escola da virtude" (C.S. Lewis, Four Loves, p. 57). Isso porque a amizade traz a experiência de amor independente de vínculos de sangue, independente de instintos imediatos, independente até da pressão da coletividade. A amizade é a forma de amor menos natural que há, por isso mais rara, dependente da vontade, da decisão, da escolha de cada um.

o amor que não é Deus

"Se a afeição se torna o soberano absoluto da vida humana, as sementes germinarão. O amor, tendo se tornado um deus, vira um demônio" (C.S. Lewis, Four Loves, p. 56).

É claro que Lewis está atacando aquela experiência de amor bem humano, possessivo, quase egoísta, ou egoísta mesmo quando fazendo gestos de abandono e doação. Aquele amor que quer controlar o outro, que quer atenção só para si, que quer ver a todos em total dependência.

quinta-feira, junho 22, 2006

afeição

Comentando sobre a os riscos da afeição humana, advertindo sobre o quão possessivo pode se tornar esse tipo de amor, C.S. Lewis mostra como o amor materno exagerado e zeloso pode sufocar os demais membros de uma família. Uma mãe superprotetora pode impedir um filho de amadurecer. Assim também ele fala de seu trabalho como professor: "A minha própria profissão -- a de professor universitário -- é nesse sentido perigosa. Se formos bons devemos sempre trabalhar para que venha o momento em que nossos alunos estejam prontos a se tornarem nossos críticos e rivais. Devemos nos alegrar quando esse momento chegar, assim como o mestre de esgrima se alegra quando seu aluno consegue superá-lo e desarmá-lo. E muitos o fazem" (C.S. Lewis, The Four Loves, 51).

sexta-feira, junho 16, 2006

natureza e romantismo

Fazendo a crítica do movimento romântico e citando autores como Wordsworth e Browning, C.S. Lewis faz refletir sobre o modo ingênuo com que nos relacionamos com a natureza: "Se você tomar a natureza como mestre, ela lhe ensinará exatamente as lições que você já decidiu aprender; e isso é só um outro modo de dizer que a natureza não nos ensina... O único imperativo que a natureza proclama é: 'Olhe. Ouça. Veja.'" (C.S. Lewis, The Four Loves, p. 9).

quinta-feira, junho 15, 2006

ciúme

"A rivalidade entre todos os amores naturais e o amor a Deus é algo que um cristão não ousa esquecer. Deus é o grande rival, o objeto último do ciúme humano; aquela beleza, tão terrível quanto a de Gorgon, que pode a qualquer momento roubar de mim -- pelo menos é o que parece -- o coração de minha esposa ou esposo ou filha" (C.S. Lewis, The Four Loves, 1988).